Tarifa binômia pode deixar ainda mais barata conta de luz

Fonte: PROCEL INFO

Acesse aqui a matéria diretamente em sua fonte.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estuda a possibilidade de trazer ao consumidor em 2019 uma nova proposta de modalidade tarifária: a tarifa binômia, que estabelece faixas de cobrança pelo serviço de distribuição. A Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia (Abesco) explica que atualmente, esse custo representa cerca de 30% do total nas contas de luz. Dessa forma, residências ou comércios que consomem quantidades diferentes de energia acabam pagando o mesmo valor pelo serviço.

“Essas formas de tarifar pela potência e consumo, como a tarifa branca e a tarifa binômia, promovem uma consciência dos usuários para que eles utilizem e planejem o seu gasto de energia de maneira inteligente. Dessa forma, a infraestrutura do sistema elétrico é melhorada e o brasileiro não terá que gastar com ampliação desse sistema, o que causa uma redução de custo em sua conta de luz”, explica o presidente da Abesco, Alexandre Moana.

Para Moana, a lógica dessa nova modalidade tarifária é que os consumidores que utilizam menos energia e, portanto, exigem um menor investimento das distribuidoras, passem a pagar menos pelo serviço do que aqueles que exigem mais. “Ou seja, o consumidor terá o poder de planejar seu consumo e gastar menos por isso. Com a tarifa branca, por exemplo, é possível modular a utilização da energia por faixa de horário e gastar menos ao evitar o período de pico em que a tarifa é mais cara. Já a tarifa binômia balanceará ainda mais essa conta ao cobrar menos de quem exige menos potência da rede elétrica”, explica.

Para isso o consumidor deverá medir e declarar a potência utilizada em sua casa observando quais produtos costuma ligar ao mesmo tempo e fazer uma estimativa. “Outra vantagem é que caso o consumidor erre o cálculo, as distribuidoras, geralmente, oferecem um prazo de readaptação para fazer o ajuste. Além de ser mais barato monitorar. Para saber se o consumidor ultrapassou o limite declarado, a distribuidora pode, por meios simples como utilizar um disjuntor ou medidor de potência por certo período, apontar a fraude. Já a tarifa branca exige investimento na compra e instalação de um novo relógio”, conclui o presidente da Abesco.

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Brasil, Facility Management, Leis e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s