Acorda, São Paulo

Fonte: Folha de SP Online

Acesse aqui a reportagem em sua fonte.

O zoneamento proposto pela prefeitura, vendido como “modernidade” e melhoria de vida para a população, é exatamente o contrário. Diminui a qualidade de vida nas áreas residenciais, desfigura bairros inteiros e agrava a situação dos moradores da periferia.

Um dano irreparável serão as zonas estritamente residenciais (ZERs), que deveriam ser protegidas, mas estão ameaçadas pelo excesso de corredores comerciais com impacto devastador e algumas serão extintas. Vão virar zonas mistas e, daí para a frente, com nomes sub-reptícios como zonas predominantemente residenciais (ZPRs). Na Lapa, por exemplo, mais de 25 ruas residenciais serão reclassificadas como novos corredores.

Ademais, a proposta de zoneamento também coloca em risco ambiental a cidade em razão de um mecanismo que permitirá o desmate e construções em áreas verdes públicas, como parques e praças, sob o argumento de necessidade de equipamentos públicos e com falsa compensação ambiental.

Na hora em que foram suprimidos os instrumentos de controle de verticalização pelo estoque construtivo e seus estudos prévios de suporte da infraestrutura, do sistema de transportes e viário autorizadores de novos estoques nos distritos, a verticalização ficou incontrolável.

Algo para a atenção do Ministério Público é a flagrante ilegalidade do projeto, que ignora de modo proposital a carta geotécnica da cidade. Há o incentivo à ocupação de praticamente todas as áreas de várzea que ainda existem na zona urbana, selando-se fontes hídricas com intensa permissividade ao asfalto e a grandes empreendimentos.

A proposta vai na contramão do que buscam todas as grandes cidades do mundo em matéria de crescimento sustentável. No cenário não tão distante, São Paulo ficará sufocada ambientalmente e ainda mais cara para morar.

Esse plano interessa somente ao setor imobiliário. Só não irá adiante por pressão popular. É hora de uma forte mobilização em defesa de São Paulo!

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Cidades e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s