Arquitetos de Curitiba criam casa sustentável a partir da energia solar

Fonte: Portal G1

Acesse aqui a reportagem em sua fonte.

Com a consciência de que podem contribuir para um sistema energético mais sustentável, os arquitetos Diogo Moro Cunha e Fabrícia Cunha construíram a casa onde moram, em Curitiba, com um sistema de micros geradores, que funcionam a partir da captação solar.

Toda a casa foi pensada para ter alternativas sustentáveis. A família reaproveita a água da chuva, não usa gás e instalou painéis de captação solar. O mecanismo é regulamentado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

“Você tem que realmente acreditar, gostar e trabalhar para isso. Você não pode simplesmente pensar nos números. Ainda hoje é um retorno demorado. Então só ‘planilhar’, colocar na ponta do lápis, realmente muita gente vai falar: ‘será que vale a pena ou não vale?’. Então, por isso que eu digo, você tem que acreditar na questão da sustentabilidade”, diz Diogo.

O sistema de geração funciona da seguinte forma: os painéis de captação transformam a energia do sol na eletricidade que é consumida dentro de casa.

Como o sistema é interligado ao da Companhia Paranaense de Energia (Copel), a energia que não é consumida vai para a rede de distribuição, e um relógio contabiliza o que foi gerado.

Quando o sol se põe, a casa pega a luz do sistema convencional. O relógio, então, marca a entrada da energia. A conta de luz representa o saldo – são cobrados os quilowatts consumidos ou, se o sistema implantado na casa do Diogo e da Fabrícia gerou mais energia, o casal fica com um crédito.

Potencial de geração solar

A energia do sol convertida em energia elétrica quase não é usada no Brasil. Corresponde, apenas, a 0,01% da produção de energia no país, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). No Paraná, a fonte também é pouco explorada, mas o potencial de geração é grande.

A produção de energia solar depende da quantidade de sol. Um dia nublado produz menos energia elétrica que um dia de céu azul, e o Paraná é um dos estados com a menor incidência de sol (5,0 kwh/m² por dia). Entretanto, a maior produtora de energia solar do mundo é a Alemanha, que tem uma incidência de sol menor (3,4 kwh/m²).

Segundo o engenheiro eletricista Lúcio de Medeiros, investimentos nessa e outras fontes alternativas são importantes para que a demanda de consumo de energia no Brasil possa ser atendida. “O país precisa acrescentar cerca de quatro a cinco giga watts ao ano para conseguir atender a sua demanda. Se isso não for feito, corremos outro risco de racionamento mais adiante”.

A Aneel acredita que até 2024 seja produzida mais energia nos telhados do que nas usinas nucleares de Angra I e II juntas. “Estamos aproveitando o sol, mas pode ser aproveitado vento, as diferenças de temperatura, várias outras fontes que estão ao nosso redor. Basta nós aprendermos a usar o que deus nos deu, essa energia toda abundante que existe na natureza”, conclui Lourival Lippman, pesquisador do Instituto Lactec.

Painéis solares

Uma pesquisa da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) apontou que quatro em cada dez brasileiros têm interesse em instalar painéis solares em casa, mas o preço ainda é uma barreira. O investimento inicial para a instalação varia entre R$10 mil e R$ 15 mil. Por outro lado, é um sistema com pouca manutenção e vida útil de mais de 20 anos.

O pesquisador do Instituto Lactec Fabiano Ferronato conta que o governo está investindo mais nesse tipo de geração energética. “O governo tá olhando muito mais agora para esse lado. Estão vindo incentivos, têm leis entrando, têm estudos sendo feitos. É uma energia limpa, ecologicamente correta e que, no final, o consumidor vai perceber que a conta de luz vai ser cada vez mais baixa”, explica Ferronato.

Sistema interligado

Assim como a casa do Diogo e da Fabrícia está interligada ao sistema de distribuição de energia da Copel, o sistema da companhia está interligado ao nacional. Segundo o diretor de negócios e desenvolvimento da Copel, Jonel Iurk, todas as regiões do país produzem e transmitem energia para outras regiões.

Quem faz esse gerenciamento é o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), conforme a demanda e a produção de cada região. “É um gerenciamento externo que a Copel acaba acatando essas recomendações e disponibilizando, portanto, conforme a demanda nacional, a energia disponível no Paraná”.

Pesquisa

Pesquisadores do Instituto Lactec, uma organização da sociedade civil de interesse público (Oscip), que fica em Curitiba, desenvolvem vários projetos para aproveitar a energia que vem do sol. Em alguns desses projetos, são desenvolvidas tecnologias para o cotidiano.

É o caso dos capacitores criados para carregar aparelhos eletrônicos. É um sistema que não precisa de baterias, de manutenção e de nenhuma outra fonte de energia além do sol. Lourival Lippman, um dos pesquisadores do Lactec, explica que esses capacitores têm várias aplicações e são mais duráveis do que as baterias convencionais.

“Enquanto uma bateria dura cerca de dois anos, um super capacitor pode durar 20 anos, 10 vezes mais. Imagine se você pudesse esquecer que tem que trocar a bateria do seu automóvel ou a bateria do seu celular? Seria muito interessante.”, explica Lippman.

Outro projeto desenvolvido no Lactec é o girassol, um aparelho que ganhou esse nome porque acompanha o movimento do sol. Esse aparelho não converte a luz do sol em energia elétrica, ele coleta a luz solar e a transporta diretamente para dentro de um ambiente por meio de fibras ópticas.

Além disso, todos os laboratórios e o estacionamento do instituto usam a energia solar, por meio de placas fotovoltaicas instaladas no telhado. Essas placas transformam a luz do sol em energia elétrica.

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Brasil, Cidades, Eficiência Energética, Sustentabilidade e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s