ENFOQUE-Governo dá primeiros sinais de preocupação com abastecimento de energia

Fonte: Reuters Brasil

Acesse aqui a matéria em sua fonte.

Embora o governo não admita a necessidade de racionamento de energia enquanto espera o comportamento das chuvas até abril, medidas adotadas recentemente para economizar energia sinalizam preocupação com o risco de faltar eletricidade, num cenário similar ao ocorrido antes do racionamento de 2001.

A diferença principal, na avaliação de especialistas, é que o governo está demorando para iniciar uma ampla campanha de redução do consumo, o que deveria ter ocorrido já no ano passado.

O baixíssimo nível das represas em pleno período úmido é ainda pior que o registrado antes do racionamento de 2001. Por outro lado, naquela época não havia tantas termelétricas disponíveis para reforçar a geração de energia e o intercâmbio de eletricidade entre as regiões do país, por meio do sistema de transmissão, era menor.

Especialistas avaliam, porém, que as térmicas estão acionadas por um período muito maior que o planejado inicialmente e podem não dar conta de suprir a demanda ao longo do ano sem racionamento, na falta das hidrelétricas, caso as chuvas não fiquem muito acima da média até abril.

O ex-diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e secretário de Energia do Ministério de Minas e Energia na época do racionamento, Afonso Henriques Moreira Santos, considera inclusive que deveriam ter sido construídas mais térmicas além do que foi construído após o racionamento de 2001.

PRIMEIROS PASSOS

Apenas recentemente o governo federal começou a falar em ações de eficiência energética para economizar energia.

Na semana passada, foi publicada portaria estabelecendo medidas para monitorar o uso de energia elétrica e água em órgãos da administração pública federal.

O setor público federal terá que reduzir consumo por meio de uso consciente do ar condicionado, desligamento de computadores e outros equipamentos quando não estiverem sendo utilizados, entre outras ações.

O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, disse que a intenção é reduzir em até 30% o consumo de energia em prédios públicos federais.

O governo federal também promete disponibilizar na Internet uma cartilha com dicas para redução do consumo de energia a todos os consumidores do país, mas a adesão será voluntária.

Além das medidas já anunciadas para reduzir o desperdício de energia, o governo federal prepara outras ações para aumentar a oferta, como o estímulo a grandes empresas (indústrias e shoppings, por exemplo) para aumentarem sua geração própria de eletricidade por meio de geradores.

O governo também já autorizou a retomada da geração na usina termelétrica de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, processo complexo que demanda acordo para uso de gasoduto da Argentina e importação de combustível.

Questionado se essas medidas buscam justamente evitar ações mais extremas, como um racionamento, o Ministério de Minas e Energia disse que somente no final de abril poderão ser feitas avaliações mais conclusivas.

“Devido à grande variabilidade das afluências aos reservatórios das usinas hidrelétricas no chamado período úmido, que vai de dezembro a abril, análises e avaliações mais conclusivas sobre as condições energéticas do sistema elétrico brasileiro serão obtidas ao final deste período, ou seja, ao final do mês de abril”, disse o ministério, em nota.

Para a ex-diretora da Aneel Joísa Campanher Dutra, além das incertezas em relação ao clima não se sabe qual será a reação dos consumidores ao forte aumento previsto para as tarifas neste ano.

“A crise não tem um momento dado, depende de um conjunto de fatores, como a atividade econômica, o aumento dos preços e o clima”, disse Joísa.

A energia mais cara é uma das apostas dentro do governo para que os consumidores optem, voluntariamente, pela redução do consumo – segundo projeções do setor, os reajustes totais no ano podem chegar, em alguns casos, a até 60%. Mas a ex-diretora alerta que os fortes aumentos das tarifas podem levar a um aumento da inadimplência.

NA PRÁTICA

O ex-secretário do Ministério de Minas e Energia Moreira Santos avalia que a gravidade da situação atual é similar a vivida antes do racionamento de 2001.

Segundo Moreira Santos, as discussões sobre o racionamento em 2001 começaram no fim de março, quando também foi discutida a redução do consumo nos prédios públicos, e também o corte de carga programado – mas essa última sofreu forte oposição e não foi acatada na época, segundo ele.

Posteriormente, o governo lançou uma campanha para que houvesse economia de energia e em julho daquele ano começou o racionamento com meta de redução de 20 por cento do consumo.

Para o físico, professor e ex-reitor da Universidade de São Paulo (USP), José Goldemberg, que participou das discussões na época do racionamento de 2001, a atual situação já é de racionamento de energia.

Goldemberg vê o apagão orquestrado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) em 19 de janeiro deste ano como um racionamento, já que o ONS teve que escolher onde seria cortada a oferta de eletricidade por não conseguir atender toda a demanda naquele momento.

“O que o ONS fez foi um racionamento seletivo, porque senão haveria um apagão geral”, disse o ex-reitor da USP.

Dados atualizados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) divulgados nesta sexta-feira mostram que o cenário não mudou mesmo com as chuvas mais intensas nesta semana.

O Sudeste, principal centro de consumo do país e que concentra 70% dos reservatórios das hidrelétricas, terá chuvas equivalentes a apenas 58% da média em fevereiro, quando seriam necessárias afluências muito acima da média para recuperar as represas a um nível confortável antes do início do período seco.

Apesar de o discurso oficial do governo ser de negar a necessidade de racionamento, técnicos que estavam no governo em 2001 e que continuam trabalhando no governo federal dizem que, se houver o comando político, é possível lançar rapidamente um plano de racionamento, graças à experiência adquirida no episódio anterior.

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Cidades, Eficiência Energética, Sustentabilidade e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s