O papel do gestor na formação do profissional de operação e manutenção

Há muitos anos atrás, quando ainda era um estagiário de engenharia em uma multinacional fabricante de auto-peças, tive a oportunidade de trabalhar sob a orientação de um experiente profissional e meu professor de fundição na FEI, o Engenheiro Minoru Doi, que ocupava o cargo de Gerente de Produção.

Dentre as rotineiras voltas no chão de fábrica, eu o via se aproximar de operadores e colaboradores tocando-lhes fisicamente e despendendo alguns minutos para uma breve conversa sobre o seu trabalho e condições de operação. Uma das vezes, eu lhe perguntei sobre este hábito, obtendo a resposta de que a presença do líder, supervisor, chefe ou gerente no campo se fazia necessária, para que os funcionários sentissem que não estavam sós e que alguém se preocupava não somente com o resultado da operação, mas também sobre como ela se dava e as condições de trabalho. Ele denominou esta aproximação física como teoria do “toque”, gerando uma aproximação entre líderes e colaboradores.

Anos mais tarde, quando supervisionava equipes de operação e manutenção em indústrias e no setor de serviços, acostumei-me a despender parte do meu tempo para compreender as condições de trabalho de meus funcionários, facilidades e dificuldades sentidas por eles e, principalmente, suas ideias e sugestões. Aproveitava também para compartilhar a minha visão e a visão da empresa sobre o trabalho dele e resultados obtidos / registrados, a título de feedback.

Isto me proporcionava não só uma maior integração e conhecimento em relação a equipe e suas potencialidades, como também proporcionava a minha parcela de ajuda no crescimento destes profissionais.

De forma educada, dizia-lhes quando escreviam mal e precisavam melhorar o seu português, quando preenchiam de forma equivocada formulários ou mesmo quando não se preocupavam em olhar em detalhes condições e parâmetros / comportamentos da operação de equipamentos no campo, aproveitando para lhes explicar fundamentos ou funcionalidades, quando dispunha de tal informação.

Também aproveitava para aprender com estes colaboradores, tornando-me o profissional que hoje sou, graças a este processo de troca, iniciado na década de 80, com os ensinamentos recebidos de meu primeiro chefe e mestre.

Aonde quero chegar com isto?

Quero dizer que não acredito em gestão 100% remota, sem estabelecermos uma forma de aproximação e acompanhamento dos serviços, com o intuito de:

  • Desempenharmos o papel de supervisão e de orientador de nossos colaboradores
  • Repassarmos a visão e as expectativas do Cliente, alinhando-as em relação a visão e expectativas do próprio colaborador
  • Ensinarmos fundamentos, conceitos e objetivos àqueles que desempenham um importante papel operacional
  • Tecermos críticas construtivas, orientando também para a sua correção e, preferencialmente, incentivando a busca por soluções pelo próprio colaborador
  • Incentivarmos nossos colaboradores a se capacitar / se desenvolver, galgando postos e posições compatíveis com o potencial vislumbrado por nós

Em uma das oportunidades que tive de trabalhar com norte-americanos que respondiam pela operação e manutenção de grandes edifícios comerciais no estado de Nova York, ouvi por diversas vezes a expressão “engenheiro de manutenção não pode ficar com o bumbum na cadeira; deve estar presente no campo, inspecionando a qualidade das instalações / dos serviços e se antecipando aos problemas”. De uma certa forma, isto remetia para a mesma preocupação da qual já tinha conhecimento: Avaliar a qualidade e as condições dos serviços e colaboradores, agindo rapidamente e sempre que possível na correção e orientação / capacitação dos profissionais envolvidos.

Esta é, sem sombra de dúvidas, uma das maiores atribuições de líderes, chefes, supervisores e gerentes, ou seja, FORMAR PROFISSIONAIS MELHORES E NOVOS LÍDERES NO FUTURO.

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Artigos do Autor e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para O papel do gestor na formação do profissional de operação e manutenção

  1. Lourivaldo Clementino disse:

    Muto bom, estou longe de ter seu currículo, fiz apenas dois técnicos e um tecnólogo em gestão empresarial, mas concordo plenamente contigo.
    Ainda ouso dizer: O gestor não precisa ser um capataz mas também não pode ser um robô.
    Grande abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s