Como garantir isolamento acústico do drywall em projetos residenciais?

Fonte: AECweb

Espessura da parede, número de chapas de gesso e densidade de isolantes acústicos influenciam o desempenho acústico do drywall. Entenda

As habitações construídas no Brasil precisam atender a uma série de requisitos com relação ao conforto acústico. Entre as exigências, descritas na ABNT NBR 15.575 – Edificações Habitacionais – Desempenho, está a redução de pelo menos 45 dB para as paredes entre apartamentos. No caso das edificações construídas com drywall, as vedações podem ser dimensionadas para atender aos requisitos da norma nos níveis mínimo, intermediário e superior. 

Paredes de drywall – Produtos 
Paredes de drywall incombustíveis – Produtos 
Perfis para fixação de drywall 
Fita telada para junta de paredes de drywall

COMO ESPECIFICAR PAREDES ACÚSTICAS?

A especificação da parede de drywall com fins acústicos deve ter como ponto de partida o entendimento das necessidades dos usuários para cada ambiente. Isso porque a exigência de uma parede que separa dois apartamentos é diferente da aplicada às paredes que separam cômodos internos.

Leia a matéria completa diretamente no site da AECweb, clicando aqui.

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira de "Operação e Manutenção Predial sob a ótica de Inspeção Predial para Peritos de Engenharia" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo MACKENZIE, professor das cadairas de Engenharia de Manutenção Hospitalar dentro dos cursos de Pós-graduação em Engenharia e Manutenção Hospitalar e Arquitetura Hospitalar pela Universidade Albert Einstein, professor da cadeira de "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNIP / INBEC), tendo também atuado como professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Artigos Tecnicos e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s