Frente Parlamentar da Engenharia defende federalização do Confea

Fonte: Agência Câmara – Oline

Divulgação: SINAENCO (Reportagem Mônica Thaty; Edição Marcelo Oliveira)

Acesse aqui a reportagem diretamente em sua fonte.

Debater a venda do sistema Eletrobras; impedir o exercício ilegal da profissão de engenheiro; e definir uma carreira de Estado para a área de engenharia e arquitetura estão entre as prioridades da Frente Parlamentar Mista da Engenharia, Infraestrutura e Desenvolvimento Nacional para 2018.

Cleia Viana/Câmara dos Deputados Ronaldo Lessa: proposta já está sendo discutida com o governo federal

Outro tema que deverá ser levado adiante pelo grupo, que se reuniu nesta quarta-feira (14) na Câmara dos Deputados, é a federalização do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea). Atualmente, a autarquia possui apenas 18 conselheiros, sendo que dois deles são ligados a instituições de ensino. Seriam necessários, na avaliação dos parlamentares, representantes de todos os estados e do Distrito Federal para garantir a plena representação profissional.

“Todos os conselhos do Brasil têm representantes de todas as unidades de Federação. Só o Confea não. Vamos corrigir essa injustiça que está sendo cometida com a engenharia”, afirmou o deputado Ronaldo Lessa (PDT-AL), coordenador da frente.

O parlamentar acrescentou que o tema já está sendo discutido com o governo federal. “Acompanhamos debates nos ministérios do Trabalho; e do Planejamento. Está tudo redondo para o presidente da República autorizar a federalização.”

Também presente ao encontro, o presidente do Confea, Joel Krüger, destacou como uma das prioridades do conselho mudanças na Lei de Licitações (8.666/93). “Hoje a gente passa por um momento delicado das empresas de engenharia. Precisamos definir o modelo de contratação de obra pública, tanto para garantir a qualidade desses empreendimentos, quanto para garantir um preço justo para a execução, além de evitar desvios de conduta”, disse.

Manutenção
Outra questão que preocupa o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia é a manutenção predial. “É necessário que existam recursos nos orçamentos da União e dos estados não apenas para novos investimentos, mas também para garantir a segurança das construções mais antigas”, argumentou Joel Krüeger.

A frente parlamentar passará a se reunir em toda 2ª quarta-feira de cada mês, a fim de acompanhar temas de seu interesse e propor ações para valorizar as carreiras da engenharia.

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Brasil, Leis e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s