Brasil é quinto em ranking de coletores solares da IEA

De: Valor Online

Por: Rodrigo Polito (RJ)

Acesse aqui a matéria em sua fonte.

O Brasil mantém a quinta posição no ranking dos países com a maior área instalada de coletores solares para aquecimento de água, totalizando 9,6 milhões de metros quadrados. A lista é liderada pela China (374 milhões de m2), seguida por Estados Unidos (24 milhões de m2), Alemanha (17 milhões de m2) e Turquia (15 milhões de m2).

Os dados fazem parte de relatório concluído em junho pela Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês). O documento inclui informações de mercado de 60 países, que representam 95% do mercado mundial de coletores solares para aquecimento de água.

De acordo com o levantamento, o Brasil também registrou o terceiro maior crescimento no setor em 2013 (ano base do estudo), de 1,38 milhão de m2 de área instalada de coletores solares. Nesse item, a China lidera a lista, com uma área acrescida de 63,6 milhões de m2, seguida pela Turquia (1,92 milhão de m2). Em 2013, foram instalados 78,6 milhões de m2 de área de coletores solares no mundo.

“O resultado mostra uma tendência de melhoria da aplicação da tecnologia no país”, afirmou Luiz Augusto Mazzon, presidente do Departamento de Aquecimento Solar da Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento (Dasol/Abrava), ao Valor.

Segundo ele, a entidade está trabalhando no aprofundamento da metodologia de cálculo do programa “Um Solar em Cada Casa”, proposta de plano de ação para o desenvolvimento do mercado de energia solar térmica, para entregar ao Ministério de Minas e Energia. Uma primeira versão do documento já foi apresentada ao ministério em junho. O objetivo da associação é que o incentivo ao uso da energia solar térmica seja assumido como política de governo.

O programa prevê cinco itens para o desenvolvimento do mercado. O primeiro é a permissão para a utilização de recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para instalação de equipamentos de aquecimento solar em construções. O segundo é uso de recursos do programa de eficiência energética da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para investimentos em sistemas de aquecimento solar.

O terceiro ponto prevê que o uso desses sistemas seja compulsório no programa “Minha Casa, Minha Vida”. O quarto prevê a adoção de taxas diferenciadas em financiamentos de bancos públicos para projetos com aquecedores solares. E o último envolve uma campanha de conscientização da população.

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Brasil, Eficiência Energética, Sustentabilidade e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s