A revolução do quilowatt

Fonte: Revista Brasil Energia – Fevereiro 2015

Acesse aqui a reportagem na íntegra.

Brasil – As redes elétricas inteligentes (REIs) estão mudando irreversivelmente a relação do cliente com a distribuidora, os hábitos de consumo e até mesmo os papéis de cada um, permitindo que o consumidor não apenas compre, mas também produza a própria energia no Brasil. Do inglês “smart grid”, o conceito envolve uma série de tecnologias que levam a rede elétrica da era analógica para a digital, combinando a infraestrutura existente com sistemas de informação e computação, telecomunicações e sensoriamento.

A automação e o uso de tecnologias digitais no setor elétrico é tema da reportagem de capa da revista Brasil Energia do mês de fevereiro. Com o título de “A revolução do quilowatt”, o texto afirma que já é possível operar remotamente linhas de transmissão, hidrelétricas e PCHs.

A reportagem ressalta que essa revolução já começa a se aproximar do consumidor residencial. Por meio de medidores eletrônicos, muito em breve será possível a adoção de modelos tarifários diferenciados, além do monitoramento em tempo real dos gastos pelo consumidor e a geração e envio de energia excedente para a rede.

Além das facilidades que esse sistema pode trazer para o consumidor, as redes inteligentes reduzem as perdas na rede elétrica das distribuidores e podem diminuir em até 24% a demanda de energia nos horários de pico.

A reportagem ainda aborda os grandes investimentos que o governo federal planeja fazer no setor elétrico, implantando as redes inteligentes em todo a rede de baixa tensão e o potencial de crescimento deste mercado, já que o Brasil possui atualmente mais de 74 milhões de unidades consumidoras.

Sobre Alexandre Lara

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira de "Operação e Manutenção Predial sob a ótica de Inspeção Predial para Peritos de Engenharia" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo MACKENZIE, professor das cadairas de Engenharia de Manutenção Hospitalar dentro dos cursos de Pós-graduação em Engenharia e Manutenção Hospitalar e Arquitetura Hospitalar pela Universidade Albert Einstein, professor da cadeira de "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNIP / INBEC), tendo também atuado como professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Brasil, Eficiência Energética e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s