Disparada na conta de energia e água reforça o combate ao desperdício

Fonte: Correio Brasiliense

Acesse aqui a matéria em sua fonte.

A recessão vai obrigar o brasileiro a economizar nas contas do dia a dia. Neste ano, que já começou sob o risco de racionamento de energia, a conta de luz ficará, em média, 45,7% mais cara. Pior para quem, além de correr o risco de ficar no escuro, poderá também ficar sem tomar banho. Em estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, o risco de corte no abastecimento de água já é uma realidade para um número cada vez maior de pessoas.

Para fugir do aperto financeiro, o melhor é evitar desperdícios nos itens do dia a dia, como a conta de água. Um buraco de dois milímetros no encanamento consome, por exemplo, até três mil litros de água por mês. Já uma torneira mal fechada pode despejar 46 litros por dia, o que significa uma perda superior a uma caixa d’água com capacidade de mil litros por mês.

Medidas sustentáveis, como captar água da chuva ou do chuveiro, também podem garantir uma boa economia na conta de água. Diretor de Varejo da Aqualimp, Vinicius Ramos lembra que equipamentos fabricados ajudam a captar e armazenar a água pluvial ou do sistema público. Segundo seus cálculos, ao fim de um ano, a economia com o uso chega a R$ 1,2 mil. Outra forma de pagar menos é trocar lâmpadas antigas por outras com melhor consumo energético. A troca pode garantir economia de até 80% na conta de luz, todos os meses. Também é possível reduzir em até 12% com o gasto energético só desligando aparelhos eletrônicos da tomada, já que, mesmo em modo standby, ainda consomem bastante energia.

O especialista em direito ambiental Alessandro Azzoni recomenda ainda trocar itens de consumo elevado de eletricidade por versões mais modernas, que tenham o selo Procel de eficiência energética. “Às vezes, a dona de casa se apegou àquele chuveiro velho, que nunca deu defeito. Mas a indústria já produz eletrodomésticos bem mais eficientes”, lembra. O uso sustentável do carro também garante mais dinheiro no bolso, sublinha Luiz Munhoz, diretor da Mix Telematics, especializada em telemetria, tecnologia que ajuda a reduzir o consumo de combustível e de custos operacionais. “Antes de sair, estude o caminho. Evite voltas desnecessárias, que esticam o tempo do percurso. Procure o roteiro fora de horários de pico, pois trânsito pesado aumenta o consumo”, frisa.

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Cidades, Sustentabilidade e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s