Os problemas são estruturais

Fonte: O Estado de SP

Análise por: Júlio Gomes de Almeida

Acesse aqui a matéria em sua fonte.

Está cada vez mais claro que os impasses da indústria brasileira não são pontuais, mas estruturais e não serão resolvidos com medidas tópicas de política econômica.

Não se pode omitir que por encurtar os mercados consumidores de bens industriais ao redor do mundo, a crise global de 2008 demarcou uma trajetória de ininterrupta contestação da nossa indústria. Isto precipitou a queda das nossas exportações e levou à substituição de parcela expressiva do produto nacional pelo produto importado no mercado interno.

O contexto externo desnudou a nossa ínfima capacidade de concorrer com a produção dos grandes centros industriais e mesmo com a produção de países cuja intensidade e diversificação industrial não se comparam com a brasileira.

Não há uma causa única para o déficit de competitividade. Vem da cumulatividade de impostos que torna a produção local muito cara, de uma grande carência de infraestrutura e de uma moeda por décadas sobrevalorizada, que restringiu investimentos voltados à nova tecnologia e à exportação. A produtividade cresce pouco, enquanto custos evoluem intensamente.

Os últimos dados do IBGE jogam por terra mais uma esperança de recuperação industrial. Após um rápido ensaio de reativação em julho e agosto, nos dois meses seguintes a produção estagnou.

A indústria precisa de mais e não de menos política industrial, mas esta precisa ter alcance maior, incentivando mais a inovação, a exportação e os investimentos que elevarão a produtividade. Precisa também de um câmbio minimamente competitivo e que o nosso alto custo sistêmico comece a encontrar uma solução.

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Cidades e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s