Matriz energética chinesa deve adicionar 1 mil GW em energia limpa até 2030

Fonte: Brasil Energia

Divulgação: Procel Info

Acesse aqui a matéria em sua fonte.

China – As metas de expandir o consumo total de energia oriunda de fontes que não emitem gases de efeito estufa vão demandar um adicional de até 1 mil GW de novas unidades, para atender a um percentual de 20% até 2030, segundo comunicado da Casa Branca, sede do governo dos Estados Unidos.

Os dois principais países emissores de gases de efeito estufa, EUA e China assinaram um acordo sem precedentes que define metas de redução de lançamento. O plano foi assinado pelos presidentes Barack Obama e Xi Jinping em Pequim. O plano prevê ainda um acordo de cooperação e diálogo técnico sobre emissões e energia limpa.

A China anunciou que pretende estabelecer limites as emissões de gases de efeito estufa, que devem ser atingidos até 2030, mas com a intenção de antecipar a meta, além de elevar a participação de fontes renováveis de energia na sua matriz para cerca de 20%, também até 2030.

Para isso, o país asiático terá que implantar entre 800 GW e 1 mil GW de usinas com fontes do tipo “emissão zero”, como nucleares, eólicas e usinas solares, entre outras fontes. O número corresponde a mais que todas as térmicas a carvão naquele país e próximo da atual capacidade total de geração americana.

Metas americanas

Já os Estados Unidos comprometeram-se a atingir, até 2025, metas de reduzir entre 26% e 28% as emissões que foram registradas em 2005.

Cientistas têm alertado para a necessidade de medidas drásticas a fim de combater o aquecimento global. As metas anunciadas hoje antecedem a Conferência do Clima em Paris que, em 2015, deverá aprovar, pela primeira vez, um acordo global ambicioso.

Ainda de acordo com a Casa Branca, entre as novas medidas anunciadas para a redução das emissões americanas está um plano de expansão da energia limpa – que pretende diminuir as emissões de usinas existentes em 30% (a partir dos níveis de 2005). Ao mesmo tempo que deverão entregar de US$ 55 bilhões a US$ 93 milhões em “benefícios líquidos” a partir da melhoria da saúde pública e da redução da poluição.

O programa prevê ainda a implementação de novos padrões de eficiência e emissões na atmosfera de motores de veículos automotores e pesados, até março de 2016.

Além disso, o Departamento de Energia dos EUA definiram o corte em 3 bilhões de toneladas de CO2 até 2030, por meio de novos padrões de eficiência energética, a serem definidos. “Essas medidas também diminuirão a conta de energia elétrica em bilhões de dólares”, destacou a Casa Branca.

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Sustentabilidade e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s