Construções verdes precisam de legislações sustentáveis

Li hoje pela manhã a reportagem abaixo e não se tem como discordar de que precisamos evoluir muito rapidamente na questão envolvendo as “construções verdes”.

No entanto, precisaremos também evoluir em quesitos bastante específicos ligados ao aspecto da “construção como um todo”, ou seja, nos primeiros passos ou etapas que compõem o ciclo de vida de um empreendimento: concepção e projeto, contratação de fornecedores, obra, comissionamento, entrega, entre outros

Vejo ainda que a responsabilidade pelo resultado de um empreendimento (que busca ser verde / sustentável) ainda é muito segmentada, o que dificulta a cobrança pelos futuros responsáveis pela operação e manutenção.

Temos hoje algumas das mais severas leis em vigor, especialmente no que se refere ao meio ambiente mas…..como esperar que nossos profissionais absorvam esta cultura se não temos uma fiscalização efetiva que eduque o nosso povo?

Vejam como exemplo algumas leis importantes que tratam da qualidade em ambientes de trabalho, como a Portaria 3523 e RE-09 da ANVISA, no que se refere à assegurarmos a qualidade do ar interno…

Se observarmos e tentarmos mensurar a “real evolução” desde 1998 (quando a 3523 foi publicada no DOU), veremos em grande parte que aprendemos a elaborar o documento obrigatório PMOC (mesmo que incompleto ou inconsistente…)….e só!!! São poucas as empresas que realmente se preocupam com o resultado desta medida, talvez (ou certamente) por acreditarem na falta de uma fiscalização séria e eficaz e na efetividade maior do “jeitinho brasileiro” no momento em que “a porca torce o rabo”.

Noutro dia falava à um amigo sobre a educação de uma forma geral (e não total) no trânsito de SP, o que só foi conseguido em função do rigor de nossos AMARELINHOS da CET, das inúmeras MULTAS que são diariamente distribuídas, etc… É verdade que toda esta indústria de MULTAS também existe por outros interesses que não nos cabe aqui discutir, mas o fato é que a fiscalização nos proporcionou uma melhor educação no trânsito.

Sinceramente, não vejo como evoluirmos apenas com leis mais abrangentes, sem o reforço de uma fiscalização.

Segue abaixo o artigo, tema deste POST, cujo foco é abordar o nível de restrição de algumas de nossas leis e a falta de mais incentivos que auxiliem o desenvolvimento deste mercado de construções verdes.

——————————————————————————————————–

Construções verdes precisam de legislações sustentáveis

Em terceiro lugar na construção sustentável, Brasil enfrenta leis ambientais restritivas

Fonte: TALEN Editora

Por: Luiz Augusto Pereira de Almeida

Acesse aqui a reportagem em sua fonte.

Pouco se difunde tal informação, mas o Brasil é uma das nações mais avançadas em quantidade de construções sustentáveis. Estamos em terceiro lugar, atrás dos Estados Unidos e China. O ranking é do Green Building Council (GBC), cujo capítulo nacional sediou em São Paulo, em agosto, o congresso mundial da organização, presente em mais de cem países. Cresce em todo o Planeta o esforço na direção dos edifícios verdes. São mais de 140 mil edificações em processo de certificação, somando um bilhão de metros quadrados. Há 27 mil empresas suportando esse movimento supranacional e milhares de voluntários dedicados à causa.

Aqui, não tem sido diferente. Informações do GBC Brasil mostram um cenário de padronização dos conceitos de construção sustentável. Há uma crescente busca pela certificação por parte de prédios comerciais e industriais. Na visão da entidade, conforme se observa em conteúdos veiculados em seu website, o momento é oportuno para um alinhamento com políticas públicas de incentivo nas esferas federal, estadual e municipal e a disseminação desses conceitos no âmbito dos empreendimentos residenciais. Estamos falando de soluções como a captação, armazenamento e uso da água das chuvas e redução do consumo de energia, com melhores condições de luminosidade natural, lâmpadas de baixo consumo e aparelhos eletrodomésticos econômicos.

O Governo Federal também realiza ações para estimular programas sustentáveis. O Ministério do Meio Ambiente disponibiliza cursos pela internet sobre procedimentos que podem ser adotados para adequar os prédios públicos. Além disso, o programa Minha Casa, Minha Vida estabelece a obrigatoriedade do uso de energia solar em todos os novos empreendimentos sob sua chancela. Legislações estaduais e municipais também vão estabelecendo medidas alinhadas ao conceito de sustentabilidade.

Contraponto – As legislações ambientais brasileiras, porém, parecem desconsiderar essa vocação nacional para a sustentabilidade das edificações, pois é extremamente restritiva e tende a inverter a lógica jurídica universal de que todo mundo é inocente até que se prove a culpa ou dolo. Nosso arcabouço legal parece partir do pressuposto de que todos os projetos urbanísticos, arquitetônicos, residenciais, hoteleiros, empresariais ou até mesmo bairros planejados, que são um avanço em termos de sustentabilidade, já nascem estigmatizados pelo pecado original da má intenção contra ecossistemas e biomas.

A aprovação ambiental de projetos é lenta e muito burocratizada. Até mesmo empreendimentos emblemáticos quanto à sustentabilidade, aprovados, licenciados e que já receberam prêmios nacionais e internacionais nessa área, são judicialmente impedidos de conclusão, sob justificativas que não resistem à análise lógica e à comparação com questões semelhantes nos países desenvolvidos. Há nações nas quais se constroem hotéis e outros empreendimentos em santuários ecológicos. São projetos alinhados à preservação e à economia de energia e água, inclusive contribuindo para a proteção da área. Além disso, geram empregos, renda e arrecadação pública. Aqui, é impensável algo semelhante. Assim, é extraordinário que tenhamos conquistado a medalha de bronze na quantidade de projetos sustentáveis. É para se indagar: em que posição estaríamos se nossas legislações ambientais os incentivassem, ao invés de restringi-los?

Um exemplo de como é possível estimular empreendimentos sustentáveis é o Decreto 58.996/março de 2014, do governo paulista, regulamentando, 15 anos depois, a Lei 10.019 de 3/07/1998, que dispõe sobre o Zoneamento Ecológico-Econômico do Setor da Baixada Santista.  A partir de agora, os nove municípios da região contam com regras claras e objetivas para tratar a questão ambiental e seu desenvolvimento socioeconômico. Trata-se de um novo paradigma para o Brasil, pois diminui a insegurança jurídica dos novos investimentos e, ao mesmo tempo, estabelece estímulos à criação de empregos, renda e arrecadação de impostos. Precisamos de mais normas como essa para que o País planeje sua liderança mundial na sustentabilidade.

*Luiz Augusto Pereira de Almeida é diretor da Fiabci/Brasil e diretor de Marketing da Sobloco Construtora.

 

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Artigos Diversos, Sustentabilidade e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s