AWS B2.1/B2.1M: a especificação para o procedimento de soldagem e qualificação de operadores

Fonte: Equipe Target

Acesse aqui a matéria em sua fonte.

Procedimentos para a soldagem e qualificação de mão de obra

A AWS B2.1/B2.1M:2014 Specification for welding procedure and performance qualification é um conjunto de regras para soldadores qualificados, operadores de soldagem e os próprios procedimentos de soldagem. Introduzido pela primeira vez em 1984 (como AWS B2.1), a norma também é acompanhada por Standard Welding Procedure Specifications (SWPSs). Em sua sexta edição, esse documento passou por uma série de atualizações e substitui a quinta edição de 2009, que agora está obsoleta.

Dessa forma, as empresas e seus operadores podem usar essa norma em quase todas as situações que exige a qualificação de soldadores e procedimentos de soldagem. Aplica-se a soldagem manual, semiautomática, mecanizada e automática.

Possui 322 páginas e abrange os seguintes processos de soldagem: elétrica e a gás; por feixe de elétrons; electroslag; fluxo de soldagem a arco medular; a arco de metal a gás; a arco a gás em tungstênio; a feixe de laser; a gás tipo oxicorte; a arco plasma; blindada a arco de metal; a arco parafuso prisioneiro; e a arco submerso.

Outro recurso interessante é que a norma contém uma série de exemplos para ser usados no final do documento. São relacionados para coisas como um teste de qualificação, registro de performance, uma especificação do procedimento de soldagem e um sistema de qualificação.

Para sua conveniência, as mudanças nesta nova edição são marcadas com linhas verticais nas margens. Incluem materiais atualizados e definições, a adição das normas NAVSEA/MIL e ABS para os documentos referenciados, correções editoriais e correções de alguns números e da qualificação dos soldadores múltiplos em um único teste de soldagem.

Deve-se dizer que a soldagem é uma habilidade essencial em muitas indústrias e os gestores precisam ter a certeza de que os processos e os resultados são apropriados. O usuário do AWS B2.1/B2.1M e o correspondente SWPSs tem uma metodologia para confirmar o nível de qualidade dos soldadores e os procedimentos que estão sendo prestados.

Assim, pode-se dizer que a soldabilidade é a capacidade de um material ser unido/revestido/recuperado (fabricado), empregando um determinado processo de soldagem, obtendo uma estrutura final que irá desenvolver satisfatoriamente as condições desejadas em projeto (relação adequada entre defeitos x solicitações em serviço x alterações das propriedades).

Dentro da manutenção, a soldagem é utilizada como uma ferramenta para aumentar a disponibilidade dos equipamentos de produção, a qualidade dos produtos fabricados e a redução dos custos de manutenção, e isto é feito de várias formas. Com a utilização da soldagem pode-se revestir áreas críticas das peças, aplicando materiais de maior resistência ao desgaste, ou ainda, recuperando trincas ou fraturas, propiciando o retorno da peça para operação.

Com o aumento da vida útil das peças, pode-se fazer um trabalho em paralelo para a redução dos estoques reduzindo o capital a ser aplicado. Com a vasta gama de opções de materiais que podem ser aplicados por soldagem em pontos localizados, muitas vezes ela é utilizada na fabricação de peças, substituindo materiais de alto custo e diminuindo o custo de fabricação das peças.

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Artigos Tecnicos, Normas Técnicas e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s