Basf mostra três formas de economizar água na construção civil

Fonte: Engenharia Compartilhada

Autor: InfraRoi

Acesse aqui a matéria diretamente na fonte.

Tecnologias inovadoras podem reduzir demanda nos canteiros. Cada operário consome, em média, 45 litros por dia somente em necessidades humanas

Com 9 bilhões de pessoas previstas para ocupar a Terra em 2050, o planeta corre um risco sem precedentes se continuar a usar os recursos hídricos da forma atual. O alerta é da ONU e envolve também a construção civil. A Basf listou três formas de diminuir esse impacto. Vamos a eles:

Aditivos para concreto: dados do Departamento de Engenharia de Construção Civil e Urbana da Escola Politécnica da USP indicam que para a confecção de um metro cúbico de concreto, por exemplo, se gasta em média de 160 a 200 litros de água. Já existem aditivos que são adicionados na fabricação da mistura e que reduzem drasticamente o uso de água. Alguns aumentam a eficiência da hidratação do cimento e reduzem o uso de água em mais de 40% em relação aos processos convencionais.

Reaproveitamento de água da chuva: o uso de cisternas para o armazenamento desse tipo de água é outra opção. Pisos drenantes podem ser um recurso a mais, pois permitem o recolhimento e reaproveitamento da água da chuva. A economia é significativa: na CasaE, projeto conceitual da BASF, a água que passa pelos pisos (que têm até 90% de permeabilidade) é armazenada em reservatórios com capacidade de 10 mil litros, sendo reutilizada na limpeza da área externa e na rega dos jardins.

Revestimento: a conservação da fachada também demanda água para limpeza. Uma inovação importante são as tintas com tecnologia de nano partícula que repelem sujeira. Batidas de chuva ou jatos d’água são as principais formas para deixar a superfície limpa, tornando-se a opção perfeita para a melhor conservação da área externa da casa.

Inovações em materiais: além desses recursos, que promovem a economia direta de água, outros materiais construtivos podem gerar economia se levado em conta o seu ciclo de vida – ou seja, desde a extração dos recursos naturais para a produção dos materiais de construção, passando pela obra, uso e manutenção. Um estudo realizado na casa conceitual da Basf (CasaE) mostrou uma redução de 64% no consumo de água consultiva, se comparados a produtos equivalentes numa construção tradicional em 40 anos. Essa redução equivale ao abastecimento de mais de 2 mil habitantes em um dia. Ou ainda corresponde ao volume de água consumido em 443 banhos ou em 192 ciclos de uma lavadora de roupa.

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Brasil, Sustentabilidade e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s