Personagens em um comissionamento…

Muita confusão se faz ao redor dos personagens em um processo de comissionamento, principalmente em função de algumas expressões que “importamos” do linguajar norte-americano…

Usualmente, conhecemos como COMISSIONADOR a empresa que contratamos para conduzir e executar o processo de controle de qualidade em nossas obras e instalações, tendo como foco assegurar com que o sistema idealizado seja devidamente projetado, adquirido, instalado e posto à funcionar e desempenhar conforme previsto no projeto.

Este é um personagem bastante conhecido em comissionamentos elétricos, em ar condicionado, hidráulica, automação e equipamentos ou sistemas específicos, tais como usinas de geração, de tratamento de esgotos, etc…

Surgiram porém outras expressões em nossos vocabulários que requerem um maior esclarecimento:

  • Agente de Comissionamento ou Autoridade de Comissionamento: Do norte-americano “Commissioning Authority”, este personagem representa o profissional ou conjunto de profissionais especialistas em suas modalidades, contratado(s) pelo proprietário do empreendimento para especificar, acompanhar e validar o respectivo processo de comissionamento, conduzindo o trabalho de ponta a ponta. Trata-se de uma nova figura inserida em nosso contexto tupiniquim com a chegada das certificações verdes ao Brasil, sendo esta uma figura extremamente importante em um processo bem desenhado.
  • Time de Comissionamento: Trata-se do grupo de profissionais formados ainda no início do processo, reunindo os representantes das diferentes empresas envolvidas – proprietário, projetistas, construtora, gerenciadora, instaladoras, empresas de comissionamento ou comissionadores, autoridade de comissionamento e representantes da operação e manutenção. Segundo o conceito norte-americano, este time deverá ser constituido na fase inicial do processo, encorpando-se ao longo do projeto com a chegada das demais empresas (instaladoras, etc), sendo ele responsável por também assegurar não só a qualidade e bom resultado, como principalmente a ágil comunicação e atuação sobre as eventuais não conformidades ou esclarecimentos de dúvidas / ajustes.

Por fim, torna-se importante ressaltar que a lisura e maior confiabilidade no processo requer com que contrate-se comissionadores e autoridades de comissionamento isentas de interesses durante as diferentes fases de um projeto. Em outras palavras, não se recomenda que, por exemplo, tenhamos uma autoridade de comissionamento relacionada ao projetista ou a construtora e instaladora, uma vez que será sua a responsabilidade de avaliar e controlar a qualidade em todo o processo.

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Artigos do Autor, Comissionamento e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s