A criatividade e o arrojo na manutenção

Quem disse que, por sermos predominantemente técnicos, não devemos criar e /ou arriscar “fora dos padrões existentes”?

Pois é…, mas nos deparamos hoje com as seguintes situações:

  • Comodismo: A somatória entre a falta de estrutura e tempo, e a vontade de pesquisar e desbravar novos caminhos (as vezes, a vulgo “preguiça)
  • O medo de inovar, de errar e ser penalizado

O fato é que vemos cada vez mais as nossas operações se apoiando no “antigo”, sem espaços para inovações….; cada vez mais se utilizam “modelos de mercado”, que não se aplicam integralmente às nossas situações (podem não se aplicar)…

A “falta de tempo e de estrutura” também não nos permite enxergar que tais modelos de mercado podem ser mais onerosos em alguns casos, despendendo mais tempo, mão de obra e custos do que o necessário…

Isto é sem sombra de dúvidas um “mal” do momento em que vivemos e, lamentavelmente, da geração atual de gestores e supervisores, certamente com as suas exceções.

Existem algumas frases de personagens ilustres que nos incentivam à caminhar por novas trilhas, tentando “o novo”, sendo que isto se aplica, e muito, em nossa área de atuação (Operação & Manutenção).

Permanecer estático, imóvel e seguro em seu “bunker”, certamente lhe trará a falsa sensação de segurança e domínio da situação…. No entanto, nunca se deve esquecer o mundo além das paredes de seu “bunker”…

O que acontece fora destas paredes, também poderá, em dado momento, lhe afetar, retirando-o de seu conforto.

Estamos em um momento de crise econômica e precisaremos trazer à tona toda a criatividade e arrojo que são natos no povo brasileiro, para que possamos vence-la…

Devemos apenas lembrar e reforçar que o real controle de uma situação (gestão eficaz) nos dará também ais condições de dar novos passos e de saber até “onde poderemos esticar os nossos pés sob as cobertas”.

 

 

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Artigos do Autor e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s