Eficiência energética reduz consumo em edificações no Brasil

Fonte: Setor Energético

Acesse aqui a matéria em sua fonte.

Analisando o tema, conforme o BEN 2015 (Balanço Energético Nacional), as edificações (no segmento industrial, comercial, serviços, residencial e público) são identificadas como a principal demanda de eletricidade do país, responsável pelo consumo de cerca de 50% do total da eletricidade consumida no País. Todavia, através do movimento de construção sustentável, onde eficiência energética desponta como um dos principais temas, esse consumo pode ser reduzido e muito.

Cresce no país a mobilização de organizações e associações trabalhando no incentivo às práticas de construção sustentável e economia de energia. Dentre as principais atividades destes grupos há a promoção de sistemas de certificação, etiquetagem e Selo de edificações projetadas e construídas buscando maximizar seu desempenho energético, bem como atividades de readequação energética de edificações existentes.

Vários pontos devem ser observados para reduzir o desperdício de energia em edificações, onde os principais sistemas consumidores de energia elétrica são a climatização e a iluminação. A envoltória do prédio é outro ponto que deve ser observado, pois atua diretamente em todos os sistemas consumidores da edificação.

Atualmente temos 224 edificações certificadas LEED no Brasil e 11 edificações certificadas pelo recém-criado Selo Procel Edificações, além de 29 edificações classe A no Programa Brasileiro de Etiquetagem. Uma análise, considerando a média de economias comprovadas nestas edificações, mostra que as edificações brasileiras apresentam um potencial de redução médio de 30% no consumo de energia elétrica.

Considerando o total de energia elétrica disponibilizada no país, descontadas as perdas, o consumo no Brasil chega a 516,6 TWh , deste valor 258 TWh, ou o equivalente a R$ 117 bilhões2 são consumidos nas edificações. O potencial técnico estimado de redução de consumo nos prédios energeticamente eficientes é de 77,5 TWh, fomentado por uma política integrada de eficiência energética que englobe projeto, construção, reforma e operação das edificações, diante de taxas de retorno favoráveis. Ou seja, realizar este potencial trará imediatamente benefícios para a sociedade e com menores custos, garantindo para o país praticamente o montante de energia produzida pela Usina de Itaipu. Também significaria reduzir em 65% o uso das Termoelétricas reduzindo emissões poluentes e economizando quantias financeiras relevantes aos cofres públicos.

Para o cliente final é uma redução de R$ 35,2 bilhões onde os principais sistemas consumidores são a climatização e a iluminação.

Cabe ressaltar que a readequação energética (reformas/ retrofits) também pode resultar em inúmeros benefícios diretos e indiretos para o Governo, Iniciativa Privada e Sociedade. No mercado brasileiro de edificações já é possível encontrar diversas soluções e serviços especializados em eficiência energética, sendo que barreiras de mercado, identificadas como falta de informação, visão de curto prazo e falta de incentivos podem ser superadas por medidas de fomento via incentivos intangíveis, mecanismos de mercado, incentivos fiscais, financeiros e ao crédito além de legislação de cunho mandatório.

Os proprietários de imóveis devem se informar e estar atentos ao fenômeno da crescente conscientização dos ocupantes e perda de competitividade frente aos novos empreendimentos que se diferenciam em face da eficiência operacional. O Governo também deve coordenar uma política pública integrada mobilizando todos os agentes públicos e privados para uma atuação alinhada com metas audaciosas de eficiência energética nas edificações brasileiras. O Congresso Nacional deve fortalecer o conhecimento e relevância do tema provocando o surgimento ou seu fortalecimento às lideranças políticas.

Com isso, o Brasil possuirá todas as condições de superar os atuais desafios energéticos, com forte contribuição da eficiência energética em edificações. Não obstante, a ineficiência energética sugere desperdício de recursos e oportunidades, sendo certo que as ações de correção deste cenário irão inserir valores, que até então se encontram perdidos, na economia, contribuindo efetivamente para a geração de emprego, elevação do padrão técnico do setor, mitigação de impactos sócio-ambientais negativos e melhoria da qualidade de vida.

Os dados são da GBC Barsil, Abesco e Abrava.

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Eficiência Energética, Sustentabilidade e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s