Aquecimento solar têm novas certificações

Fonte: Brasil Energia

Acesse aqui a matéria em sua fonte.

Já estão em vigor as mudanças no processo de certificação de coletores para aquecimento de água, conforme a portaria 159 do Inmetro. As novas regras, que entraram em vigor ainda em março, trazem, segundo aponta a Abrava, aperfeiçoamentos ao Programa de Conformidade para Equipamentos de Aquecimento Solar de água.

A principal alteração é facilitar o processo para fabricantes. Em vez do Modelo 7 agora passa a ser adotado o Modelo 3, que prevê ensaio de tipo – e não mais de lote – por meio de amostras retiradas junto aos fornecedores. Esse procedimento traz menos custos para as empresas menores.

O prazo do Certificado da Conformidade teve validade ampliada de quatro para seis anos e o controle da certificação vai ser feito agora a cada 24 meses e não mais a cada 12 meses. O mesmo se aplica para os ensaios, que passam a ser bienais. No exterior, por exemplo, os prazos chegam a ser quinquenais.

Senai

No caso dos profissionais de instalação, a previsão do Senai é começar a oferecer processo de certificação ainda este ano. Na prática, a entidade vai reconhecer formalmente, mediante a aplicação de provas, a competência dos técnicos tanto na parte prática quanto teórica. Estes, por sua vez, poderão usar o documento como ferramenta de divulgação e negociação dos serviços.

Desde 2014 o Senai e o Departamento Nacional de Aquecimento Solar (Dasol), da Abrava, trabalham num modelo de certificação como forma de ampliar a qualidade e confiabilidade desse segmento. Os pré-requisitos, custos e demais informações para os candidatos que quiserem se submeter ao processo, vão constar de um guia que ficará disponível em unidades do Senai espalhadas pelo Brasil.

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Artigos Tecnicos, Eficiência Energética e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s