“A martelada”…..

Eis a contribuição de um grande amigo e profissional, Oldemar Bandeira, que recebi via Facebook nesta noite…

É engraçado como podemos observar no texto abaixo a questão que envolve (de certa forma) a desvalorização profissional em prol do custo oferecido pelo “mercado”…

Vivemos hoje, sem sombra de dúvidas, um mundo imediatista, que por outro lado não admira e muitas vezes considera a experiência e a assertividade de profissionais e empresas…

O baixo custo “tem o seu preço”, seja ele o retrabalho (e aí teremos mais custos…), seja a loooonnga espera por resultados que as vezes não chegam, seja a atuação por tentativa e erros e aí….., novamente mais custos…

Mas, como dizem os “antigos”, “não adianta falar…., pois o ser humano desde bebê, precisará experimentar, provar, sentir….”

Segue abaixo o texto recebido (obrigado Oldemar!!)

“A martelada
Um navio carregado de ouro, revestido de todo o cuidado e segurança, atravessava o oceano quando, de repente, o motor enguiçou.

Imediatamente, o comandante mandou chamar o técnico do porto mais próximo.

O técnico chegou de helicóptero e trabalhou durante uma semana, porém sem resultados concretos.

Chamaram então o melhor engenheiro naval do país. O engenheiro trabalhou três dias inteiros, sem descanso, mas nada conseguiu.

O navio continuava enguiçado.

A empresa proprietária do navio mandou, então, buscar o maior especialista do mundo naquele tipo de motor. Ele chegou, olhou detidamente a casa das máquinas, escutou o barulho do vapor, apalpou a tubulação e, abrindo a sua valise, retirou um pequeno martelo. Deu uma martelada em uma válvula vermelha (que estava emperrada) e guardou o martelo de volta na valise.

Mandou ligar o motor e este funcionou perfeitamente na primeira tentativa.

Dias depois, chegaram as contas ao escritório da empresa de navegação.

Por uma semana de trabalho, o técnico cobrou US$ 700.

O engenheiro naval cobrou, por três dias de trabalho, US$ 900.

Já o especialista, por sua vez, cobrou US$ 10,000.00 pelo serviço.

Atônito com esta última conta, o diretor financeiro da empresa enviou um telegrama ao especialista, perguntando: “Como você chegou a esse valor de US$ 10 mil por cerca de um minuto de trabalho e uma única martelada?”.

O especialista, então, enviou as seguintes especificações, no cálculo dos seus honorários profissionais à empresa:

Por dar uma martelada: US$ 1
Por saber exatamente onde bater com o martelo: US$ 9,999

<<<<<<<>>>>>>> 

O que vale, na prática, não é dar a martelada, mas saber onde bater com o martelo. A martelada você pode até delegar para outro…

Pense nisso. Quanto realmente vale um profissional que sabe exatamente onde bater com o martelo? “

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Artigos Diversos, Comentarios do Bloggeiro, Facility Management e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s