Quem não monitora…..Não Gerencia!

Há muitos anos (aproximadamente há uns 15 anos), eu fui convidado à participar de uma reunião com um alto executivo de uma multinacional ligada ao ramo de componentes elétricos e energia.

Tratava-se de uma visita deste alto executivo ao Brasil, mais especificamente em alguns clientes que consideravam importantes e com os quais já haviam feito negócios no passado.

Na realidade, este negócio ao qual me refiro dizia respeito a investimentos conjuntos para a economia de energia em seus clientes.

Pois bem, como lhes disse acima, havia sido convidado pelo meu cliente porque o nobre visitante falava somente inglês e este meu cliente não se sentia confiante.

Chegada a data, o visitante foi recepcionado e levado até uma sala de reuniões onde nós (eu e meu cliente) o aguardávamos.

Feitas as introduções básicas e agradecimentos, o nobre visitante nos disse estar curioso para visitar o site e verificar “in loco” o investimento em um retrofit que havia sido feito há alguns anos (em parceria) sobre o sistema de iluminação do edifício.

Demos a tradicional voltinha na edificação e retornando à sala de reunião, o nobre visitante não se conteve e, muito ansioso, perguntou sem cerimônias ao meu cliente…..

“bom, agora vamos ao que interessa…eu gostaria de ouvir de vcs o quanto economizaram em energia com este nosso retrofit e em quanto melhoraram a qualidade para os ocupantes de seu edifício….”

Ahhh, apenas um pequeno detalhe antes do desfecho desta história….como é muito comum em nossas empresas e em nossa realidade, o cliente ao qual me refiro já havia promovido uma seqüência de “danças das cadeiras” ao longo dos anos e, este meu interface na época só estava no cargo há pouco mais de um ano.

Pois bem, voltando à pergunta do alto executivo e nobre visitante, ela deixou o meu cliente sem graça que, de forma bastante objetiva lhes respondeu: “Na realidade, além de estar em minha atual posição há não muito tempo, temo em lhe informar de que não possuímos um histórico de consumo que possa nos ajudar à enxergar o quanto deixamos de consumir e em quanto melhoramos a qualidade do ambiente interno aos nossos ocupantes e funcionários“.

Pergunta direta…..resposta direta…..

Neste momento, o nobre visitante baixou por uns segundos o seu olhar (para a mesa de reunião) e ao levantá-los, olhou para o meu cliente e “disparou sem dó e nem piedade”…

Desculpe-me pela franqueza, mas:

  • como é que os senhores realizam um retrofit e não detém o monitoramento e controle de seus resultados?
  • como é que os senhores não avaliam o retorno de seu investimento?
  • como é que os senhores não avaliam todo o esforço feito “versus” a satisfação de seus usuários?

Sinceramente, lamento muito em ouvir isto….” Encerrou o visitante pouco antes de deixar cabisbaixo a sala.

Em outras palavras, ele quis dizer que ninguém gerencia uma área ou um negócio sem um planejamento estratégico (o porque, de que forma, quais os resultados esperados, etc) e sem um monitoramento / controle, enquanto “fincava levemente a estaca no coração de meu cliente…”.

Moral da história (com “H”):

Se alguém pensa que dirigir um departamento ou uma empresa é uma simples aventura e que o resultado se constrói com experiência, com arrojo, jogo de cintura e no dia-à-dia….

Este alguém está esquecendo de que não se pode avaliar resultados sem o mínimo e um estruturado controle, que esteja totalmente alinhado ao planejamento estratégico já traçado…

Ninguém consegue avaliar um projeto ou o resultado da manutenção sem os indicadores cuidadosamente desenhados (incluindo a forma de apuração) para tal…

Ninguém gerencia sem controle!!

Uma ótima semana!!!

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Artigos do Autor, Comentarios do Bloggeiro e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s