Comissionamento: um processo “natural” de banalização (!?)

Embora saibamos que um “novo processo” geralmente sofre mudanças em seu curso e que, em muitos casos, sofre distorções que acabam por banalizá-lo em parte, é realmente triste ver a reação do mercado…

Ao mesmo tempo em que “alguns poucos cavaleiros” lutam por estabelecer / fincar uma bandeira do “COMISSIONAMENTO” no Brasil, dando início a um DN (Diretório Nacional) na ABRAVA e também à um CHAPTER da BCA no Brasil, continuamos à observar enormes distorções no mercado…

Continua-se à ouvir (até mesmo de consultorias que atuam em processos de certificação) sobre a existência de um “processo de comissionamento LEED”, o que inexiste….

Continua-se à observar o comissionamento sendo comercializado como uma forma de organizar documentos “comprobatórios”, sem a preocupação em se qualificar projetos, sem definir as bases técnicas para a execução de um comissionamento, sem qualificar as instalações de forma adequada, sem planejar a execução e a validação de testes funcionais, testes de desempenho e testes integrados…

Enfim, que “processo de comissionamento” é este que assola o mercado?

Ou melhor, quais os frutos que poderão, de fato, ser colhidos nestas operações?

Como citei no início do texto, ainda que saibamos deste fluxo ou “dor” natural do crescimento (me refiro às distorções e desalinhamentos naturais em um percurso), realmente não é fácil assistir à tudo “de cadeirinha”, sem nenhuma manifestação….

Planeja-se para 2015 a realização de uma primeira conferência no Brasil sobre o COMISSIONAMENTO, ato este em discussão e em fase de planejamento dentro do pequeno grupo de “cavaleiros solitários“, o que será de extrema importância para aculturar este nosso mercado.

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Artigos do Autor e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s