Perda de água na rede só melhora com investimento, diz instituto

Fonte: Folha de SP

Acesse aqui a matéria em sua origem.

A capacidade de investimento está diretamente ligada à melhora no índice de perda dágua. Essa é a avaliação de Édison Carlos, presidente do Instituto Trata Brasil, que promove estudos sobre saneamento no país.

“A diminuição das perdas acontece basicamente com investimento na rede, em pequenas ações, como a manutenção e o controle de pressão, como na troca de tubulações por novas”, disse.

Ele afirmou que o controle da pressão da água é fundamental, pois transforma pequenos furos na rede em grandes vazamentos, em volume perdido.

O tamanho das redes também dificulta no controle das perdas. “Quanto maior ela for, mais difícil e caro de acompanhar fica.”

Ainda de acordo com o presidente do instituto, muitas cidades do país sofrem com ligações irregulares, como no caso de favelas nas grandes cidades.

Márcia Ribeiro/Folhapress
Vazamento de água na rua José Casadio, 43, no Jardim Zara, em Ribeirão Preto, na última sexta-feira (5)
Vazamento de água na rua José Casadio, 43, no Jardim Zara, em Ribeirão Preto, na última sexta-feira (5)

“Por uma questão social ou política, concessionárias às vezes liberam a água sabendo que vão ter prejuízos em áreas invadidas e favelas.”

Esse problema, no entanto, não é o principal da região. Com exceção de Ribeirão Preto, nas demais cidades não há registros de grandes focos de favelas.

O presidente do Trata Brasil disse ainda que nos últimos anos argumenta com o Ministério das Cidades a necessidade de haver auditoria em números do saneamento básico.

Sobre Alexandre Lara

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira de "Operação e Manutenção Predial sob a ótica de Inspeção Predial para Peritos de Engenharia" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo MACKENZIE, professor das cadairas de Engenharia de Manutenção Hospitalar dentro dos cursos de Pós-graduação em Engenharia e Manutenção Hospitalar e Arquitetura Hospitalar pela Universidade Albert Einstein, professor da cadeira de "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNIP / INBEC), tendo também atuado como professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Artigos Diversos, Sustentabilidade e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s