Por que será??…Brasil é penúltimo lugar em eficiência energética

Por que sera que aparecemos em penúltimo lugar entre os 16 maiores países do mundo, quando tratamos do quesito “eficiência energética”?

Segundo um recente estudo divulgado pelo Conselho Americano por uma Economia com mais Eficiência  Energética (ACEEE), estamos muito….mas muito atras do primeiro pais melhor colocado, que e a Alemanha.

Talvez existam leitores que fiquem espantados ou indignados com a noticia, mas fazendo um processo de analise imparcial, sera que não precisaremos:

  • Desenvolver ou rever uma política do governo neste sentido, adequando-a para as diferentes regiões e situações que possuímos?
  • Criar programas de incentivo neste aspecto, tornando-0s mais acessíveis `a população?
  • Educar o nosso povo, desde a sua base, quanto a importância de olharmos para o mundo e seus recursos, como parte integrante e não como um ser diferenciado ou supremo? (me refiro aqui ao que virou habito nestas ultimas gestões ao afirmar que somos e temos o pulmão do planeta – a Amazonia, a qual vem se deteriorando ao longo dos anos por falta de uma política de fiscalização mais efetiva)
  • Investir no setor de pesquisa?

Com varios amigos que atuam na academia, em suas respectivas universidades e faculdades, vejo de longe como e difícil obter incentivo e condições adequadas para a pesquisa e desenvolvimento. Lembro aos leitores que em função disto, muitos de nossos pesquisadores se encontram hoje em outros países.

Para quem gosta de historia, a mesma Alemanha que hoje e a primeira colocada nesta pesquisa, desenvolveu durante os preparativos para a segunda guerra mundial um combustível não fossil, o que a tornou imune aos embargos promovidos pelos ate enato aliados, ao serem informados das barbáries de Hitler.

Apesar de ser um passado distante e triste da historia mundial e da própria Alemanha, vejam que o incentivo promovido na época permitiu com que a pesquisa obtivesse sucesso, mesmo sem as condições que hoje temos.

Enquanto sentarmos na “janelinha” olhando o mundo distante e ignorando o que “avança sem retorno”, nada mudara´ e talvez percebamos tardiamente o que poderíamos ter feito….e não fizemos!

Vejam a seguir a materia.

——————————————————————————–

Brasil e´ penultimo lugar em Eficiência Energética

Fonte: Tribuna do Norte

Divulgação: Engenharia Compartilhada

Vejam aqui a materia em sua origem.

O Brasil aparece em 15º lugar entre os 16 maiores países do mundo em um ranking sobre eficiência energética, ganhando apenas do México. Segundo um novo estudo publicado pelo Conselho Americano por uma Economia com mais Eficiência Energética (ACEEE, na sigla em inglês), o país mais eficiente do mundo nesse quesito é a Alemanha, seguida pela Itália e com o agregado da União Europeia em terceiro lugar. Entre os países do grupo Bric, a China aparece em 4a lugar, a Índia fica com a 11a posição e a Rússia no fim da lista (14o).

O ACEEE elaborou o ranking dividindo a avaliação em quatro áreas, cada uma com uma pontuação máxima de 25 pontos. No total, o Brasil obteve 30 pontos, dos 100 possíveis. O pior desempenho do País foi no tópico da Indústria, no qual recebeu apenas 2 pontos. No item Esforços Nacionais foram obtidos 4 pontos, com mais 10 pontos em Construções. A área em que os brasileiros se saíram melhor foi Transportes, com 14 pontos e a quinta posição no ranking global. Ajudou o fato de os brasileiros usarem bastante o transporte público, respondendo por 37% da distância percorrida.

“A política energética no Brasil enfatiza basicamente a produção de energia renovável, deixando uma grande quantidade de eficiência energética intocada”, diz o relatório. No lado positivo, o Brasil se destaca pela taxa de investimentos em ferrovias, que é a maior entre todos os países analisados. Para cada US$ 1 investido em rodovias no País, US$ 1,28 é investido em ferrovias. A política nacional sobre uso e conservação de água também foi elogiada. O estudo aponta, porém, que apesar de o governo ter estabelecido um plano nacional sobre mudanças climáticas, não existe uma política nacional sobre economia de energia.

Entre os pontos nos quais o Brasil tem bastante a melhorar, o ACEEE lembra que não existem padrões obrigatórios para instalações elétricas em prédios e residências e que as exigências sobre eficiência energética só se aplicam a poucos equipamentos eletroeletrônicos.

O relatório também diz que o País se beneficiaria de acordos voluntários entre os setores público e privado para melhorar a eficiência energética na indústria, que incluiriam a criação de cargos específicos para cuidar dessa questão ou o estabelecimento de auditorias periódicas.

México e Brics

Grande rival do Brasil na preferência dos investidores entre os países da América Latina, o México tem a pior eficiência energética entre as economias analisadas pelo ACEEE. Os problemas se concentram principalmente na indústria, mas o estudo também ressalta a necessidade de mais recursos para pesquisa e desenvolvimento e um maior investimento em ferrovias.

A Rússia, por sua vez, aparece junto com Brasil e México no fim da tabela. A intensidade energética nas residências russas é uma das maiores do mundo, com políticas muito fracas para estimular a economia de energia. Além disso, as termoelétricas do país também estão entre as menos eficientes. Já Índia e China estão melhor colocadas no ranking. Em ambos os casos, o forte uso do transporte público é um ponto positivo, enquanto os chineses também se destacam pelos estímulos aos veículos híbridos e elétricos, embora a eficiência energética nas indústrias do país ainda seja muito baixa.

 

Anúncios

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Comentarios do Bloggeiro, Eficiência Energética, Sustentabilidade e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s