Quem vem primeiro? O ovo ou a galinha?

Ontem, durante uma reunião com um grande cliente, ouvi e certa forma uma “queixa” de um gerente de instalações que atua para uma também grande construtora, que as equipes de operação e manutenção põe por água abaixo uma boa instalação…

De fato, esta afirmação não é novidade, e já falamos um pouco sobre este assunto aqui neste blog.

No entanto, neste caso em específico, existem evidências de uma perda de controle na gestão de itens ligados a instalação e principalmente, de itens relacionados a integração entre as diferentes modalidades de engenharia.

Eu costumo mostrar à meus alunos e público durante algumas de minhas palestras, um gráfico que simula um potencial risco para o ciclo de vida em uma edificação e suas instalações, onde existem três prováveis e potenciais responsáveis por mau desempenho em sistemas: projetistas, instaladoras e mantenedoras

Todos têm uma enorme responsabilidade e contribuição para um bom ou mau resultado, mas o fato é que a Operação e Manutenção não poderá ser responsabilizada por falhas nas etapas anteriores à ocupação e uso de empreendimentos.

É muito importante que todos reconheçam as suas parcelas de contribuição, sejam elas boas ou ruins…

Lembrem-se que legados bons ou ruins são resultados de um projeto, da especificação e compra de equipamentos e componentes, da instalação, dos preparativos e Start-UP e dos cuidados finais quanto a entrega destes sistemas.

Aliás, em tempos da “copa das copas” como afirmam alguns diretamente interessados….passamos à compreender bem o significado de legado; não é verdade?

Seja o ovo ou a galinha, será importante que todos enxerguem os seus papéis e responsabilidades.

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira de "Operação e Manutenção Predial sob a ótica de Inspeção Predial para Peritos de Engenharia" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo MACKENZIE, professor das cadairas de Engenharia de Manutenção Hospitalar dentro dos cursos de Pós-graduação em Engenharia e Manutenção Hospitalar e Arquitetura Hospitalar pela Universidade Albert Einstein, professor da cadeira de "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNIP / INBEC), tendo também atuado como professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Artigos do Autor e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s