O machismo não impera somente em países como o Brasil…

Vejam que neste artigo abaixo, divulgado pelo Institution of Mechanical Engineers (USA), que as modalidades de engenharia ainda são consideradas como profissões masculinas, isto em pleno século 21…

Eu tive grandes e importantes chefes (supervisores, gerentes e diretores) em minha carreira que eram mulheres e com quem aprendi muito do que sei hoje. Ainda jovem e estagiário, tive a oportunidade de observar uma recém-formada engenheira mecânica na supervisão de uma área industrial, sendo comentada por todos como uma excelente e dedicada profissional.

Infelizmente, o mundo parece não ter ainda acordado, ou melhor, reverenciado a força feminina, não só nas áreas e modalidades de engenharia, como também nas demais áreas…

Vejam abaixo o artigo em sua íntegra:

New poll finds engineering is still considered a ‘male’ profession

Fonte: Institution of Mechanical Engineers

By: The press office

Acesse aqui a matéria em seu local de origem.

A new survey by the Institution of Mechanical Engineers has found that the majority of the public still consider engineering as a ‘male’ profession, the findings coincide with the appointment of the Institution’s new President Group Captain Mark Hunt, who has vowed to encourage greater diversity during his tenure.

According to the survey, 66% of the public associate the term ‘engineer’ more with men, with just 27% saying they associated the term equally with men and women. According to the poll, 40% of the public think the current image of engineering is deterring women from the profession, compared with 21% saying it is deterring both men and women.

Mark, 42, who today (28 May 2014) became the youngest ever President in the Institution’s 167-year history, said:

“I want to use my year as President to demonstrate what engineers have to offer society, and to broaden public awareness of how engineers are improving the world we live in. I also want to help galvanise action to inspire the next generation of engineering innovators and work hard to encourage more diversity in the industry.”

“Women still make up a worrying low proportion of the engineering workforce, at 6%, and I am determined to help break down the stereotypes that are putting women off joining this vibrant and exciting profession.

“My challenge to every engineer is to ask themselves what they have done today to improve society and then to tell someone about it. We need to be proud of our engineering achievements.”

Mark is the first Royal Air Force Officer to be President and succeeds Patrick Kniveton, Head of Engineering Improvement at Rolls-Royce Marine Power, who became President in 2013.

Mark has been an Engineer Officer in the RAF for 20 years. He has a background in airworthiness and safety and has served widely, including 4 tours in Afghanistan.

Mark is now the Type Airworthiness Authority for the Royal Air Force’s intelligence gathering, surveillance, target acquisition and reconnaissance fleets of Sentinel and Sentry aircraft.  His last role was as Chief Air Engineer at the Royal Air Force’s largest main operating base, Brize Norton, home of the Air Transport and Air-to-air Refuelling Force and gateway to Defence operations.

The Institution of Mechanical Engineers, founded by George Stephenson in 1847, represents more than 106,000 mechanical engineers, in over 120 countries, across such diverse industries as automotive, rail, aerospace, medical, power and construction.

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira de "Operação e Manutenção Predial sob a ótica de Inspeção Predial para Peritos de Engenharia" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo MACKENZIE, professor das cadairas de Engenharia de Manutenção Hospitalar dentro dos cursos de Pós-graduação em Engenharia e Manutenção Hospitalar e Arquitetura Hospitalar pela Universidade Albert Einstein, professor da cadeira de "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNIP / INBEC), tendo também atuado como professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Recolocação Profissional e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s