Alemanha é o país com maior investimento em energia solar do mundo

Fonte: Procel Info

Por: Ivana Varela

Alemanha – País produz mais energia solar do que 20 centrais nucleares em plena potência
Ivana Varela, para o Procel Info

Alemanha – A Alemanha é de fato o país com maior capacidade de potência fotovoltaica instalada. Os painéis fotovoltaicos espalhados pelo país são um recorde mundial. Em média por ano, a Alemanha consegue suprir 20% das necessidades de eletricidade na produção fotovoltaica e já responde por 35% de toda energia solar produzida no mundo.

O interesse da Alemanha pela energia solar teve início após o desastre da Usina Nuclear de Fukushima, no Japão. Após o acidente, o país resolveu encerrar as atividades de suas centrais nucleares, e começou a se refugiar na produção de fontes renováveis. Os painéis solares fotovoltaicos são dispositivos compostos por células solares, que captam a solar e convertem a energia do sol em eletricidade. Eles podem ser instalados em quaisquer superfícies livres como telhados, fachadas, coberturas de estacionamentos.

O país europeu tem uma forte política de tarifas fixas e incentivos para estimular a energia solar e a instalação de equipamentos em casas particulares e empresas. O pesquisador da Universidade de Stuttgart, em Baden-Wurttemberg, Camilo Michalka, conta que um grande incentivo é o valor pago pela energia gerada pelas placas de uma residência, que chega a ser maior do que a energia que a mesma residência consome da rede elétrica. “Durante o dia, os painéis das residências estão gerando energia solar e jogando na rede elétrica. A distribuidora paga por essa energia. À noite quando as placas não estão mais gerando energia, elas consomem a que foi gerada pela rede elétrica, por um preço menor do que recebem ao fornecer a energia pela manhã”, explica Michalka.

Para se ter uma ideia, atualmente já se ultrapassou 1,4 milhão de sistemas fotovoltaicos instalados na Alemanha e cerca de 8,5 milhões de pessoas vivem em residências que incorporam sistemas solares que produzem eletricidade. A opção pelo fotovoltaico custa por ano quatro milhões de euros aos alemães, “Nunca nenhum outro país produziu tanta energia solar como a Alemanha”, comemora.

“Nunca nenhum outro país produziu tanta energia solar como a Alemanha”

Enquanto a Alemanha comemora esse novo recorde mundial de produção de energia solar, o Brasil está comemorando o fato de que esta mesma energia deverá ter o preço reduzido à metade até 2018.

A captação da energia solar vem se tornando cada vez mais viável devido ao aumento da produção mundial desses equipamentos que produzem energia limpa e renovável. O Brasil possui um enorme potencial fotovoltaico, o local com o pior grau de irradiação é 40% superior ao melhor local de irradiação da Alemanha. Além disso, o país lidera o mercado de exportação de quartzo em pedra, insumo do silício, elemento principal para a produção de painéis fotovoltaicos.

Com tantas vantagens, pode-se entender que a indústria fotovoltaica ainda não tenha se desenvolvido o bastante no Brasil, primeiro porque esse tipo de energia ainda é considerada muito cara no país. E segundo pela ausência de fabricantes dos painéis fotovoltaicos. As instalações fotovoltaicas que são realizadas aqui são com equipamentos importados, o que encarece mais ainda o processo.

O Diretor de Tecnologia da Land Energy, Luiz Lacerda, considera a energia solar ainda incipiente no Brasil. “O Brasil está mais avançado na energia eólica do que na solar”, diz. E para ele leilões específicos para dar e vender energia solar seria um grande incentivo para o desenvolvimento desta energia no país. “O Brasil tem estrutura para isso, só nos falta preços competitivos”, finaliza Lacerda.

A capacidade instalada de painéis solares fotovoltaicos no Brasil tem sido mais satisfatória para o consumidor final. O que já é um importante crescimento. Porém seu custo ainda é muito elevado. Os painéis solares estão custando cerca de R$ 15 mil, além disso, o consumidor precisa solicitar na concessionária um medidor digital, para produzir a própria energia, que vale em média R$ 300. A conta de luz vai indicar o quanto de eletricidade foi usado a partir da energia solar e a porção relacionada à fonte convencional. O excedente, que foi economizado, virá de crédito para os meses seguintes. O custo que hoje estaria estimado em R$ 280 a R$ 300 por MWh, poderia cair para R$ 165 MWh dentro de cinco anos. Essa redução contribuiria para que a energia solar brasileira participasse de forma competitiva dos leilões de eletricidade.

Sobre Alexandre Fontes

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNICID / INBEC), professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET e professor da cadeira "Operação & Manutenção Predial" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo IBAPE / MACKENZIE. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Artigos Diversos, Eficiência Energética. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s