Qual o esporte que você pratica….tênis ou frescobol?

Provavelmente, vários de vocês já participaram de programas de treinamento em suas respectivas empresas, onde ouviram (em RH) falar sobre a diferença entre a prática do Tênis e a prática do frescobol, no que se refere a cooperação entre equipes ou colegas de trabalho.

olinda_open_frescobol_foto-memorias-do-pac-flickr_23082013

A diferença básica está na forma de se jogar, ou seja, enquanto no tênis um adversário tentará vencer o outro (a qualquer custo…), no frescobol, os dois jogadores farão de tudo para manter a bola em jogo, as vezes redobrando os seus esforços para compensar uma jogada infeliz de seu colega.

Pois bem, compreendida a diferença entre os dois jogos, a questão passa a ser ” qual o esporte você ou a sua equipe, ou mesmo a sua empresa ou parceiros jogam no dia a dia?….”

Jogam do mesmo lado e com um objetivo em comum (frescobol), ou jogam como se tivessem uma bomba relógio nas mãos, pronta à estourar a qualquer momento, mais preocupados em passar ao outro (colega ou departamento).

Muitas vezes, nos deparamos com situações como esta, seja em nosso departamento ou em nossa empresa (entre departamentos e entre parceiros), mas é verdade que nos cabe enquanto gestores identificar estas ocorrências e trazê-las à luz / a tona.

Acreditem…..se alguém não “gritar no jogo e avisar o colega”, a bola vai cada vez mais longe….ou na água, e você cansará de tanto buscá-la até que desista de vez.

Pensem nisto e olhem como e com quem estão “jogando” no seu dia a dia.

Fonte: A figura foi extraída de um anúncio do Governo do Estado do Pernambuco, sobre um torneio de frescobol em Olinda

Sobre Alexandre Lara

Alexandre Fontes é formado em Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial FEI, além de pós-graduado em Refrigeração & Ar Condicionado pela mesma entidade. Desde 1987, atua na implantação, na gestão e na auditoria técnica de contratos e processos de manutenção. É professor da cadeira de "Operação e Manutenção Predial sob a ótica de Inspeção Predial para Peritos de Engenharia" no curso de Pós Graduação em Avaliação e Perícias de Engenharia pelo MACKENZIE, professor das cadairas de Engenharia de Manutenção Hospitalar dentro dos cursos de Pós-graduação em Engenharia e Manutenção Hospitalar e Arquitetura Hospitalar pela Universidade Albert Einstein, professor da cadeira de "Comissionamento, Medição & Verificação" no MBA - Construções Sustentáveis (UNIP / INBEC), tendo também atuado como professor na cadeira "Gestão da Operação & Manutenção" pela FDTE (USP) / CORENET. Desde 2001, atua como consultor em engenharia de operação e manutenção.
Esse post foi publicado em Artigos do Autor e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s